segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Escolhas

Getting Real About the High Price of Cheap Food

by Bryan Walsh [Time Magazine - Friday, Aug. 21, 2009]

Somewhere in Iowa, a pig is being raised in a confined pen, packed in so tightly with other swine that their curly tails have been chopped off so they won't bite one another. To prevent him from getting sick in such close quarters, he is dosed with antibiotics. The waste produced by the pig and his thousands of pen mates on the factory farm where they live goes into manure lagoons that blanket neighboring communities with air pollution and a stomach-churning stench. He's fed on American corn that was grown with the help of government subsidies and millions of tons of chemical fertilizer. When the pig is slaughtered, at about 5 months of age, he'll become sausage or bacon that will sell cheap, feeding an American addiction to meat that has contributed to an obesity epidemic currently afflicting more than two-thirds of the population. And when the rains come, the excess fertilizer that coaxed so much corn from the ground will be washed into the Mississippi River and down into the Gulf of Mexico, where it will help kill fish for miles and miles around. That's the state of your bacon — circa 2009.

Horror stories about the food industry have long been with us — ever since 1906, when Upton Sinclair's landmark novel The Jungle told some ugly truths about how America produces its meat. In the century that followed, things got much better, and in some ways much worse. The U.S. agricultural industry can now produce unlimited quantities of meat and grains at remarkably cheap prices. But it does so at a high cost to the environment, animals and humans. Those hidden prices are the creeping erosion of our fertile farmland, cages for egg-laying chickens so packed that the birds can't even raise their wings and the scary rise of antibiotic-resistant bacteria among farm animals. Add to the price tag the acceleration of global warming — our energy-intensive food system uses 19% of U.S. fossil fuels, more than any other sector of the economy.

And perhaps worst of all, our food is increasingly bad for us, even dangerous. A series of recalls involving contaminated foods this year — including an outbreak of salmonella from tainted peanuts that killed at least eight people and sickened 600 — has consumers rightly worried about the safety of their meals. A food system — from seed to 7‑Eleven — that generates cheap, filling food at the literal expense of healthier produce is also a principal cause of America's obesity epidemic. At a time when the nation is close to a civil war over health-care reform, obesity adds $147 billion a year to our doctor bills. "The way we farm now is destructive of the soil, the environment and us," says Doug Gurian-Sherman, a senior scientist with the food and environment program at the Union of Concerned Scientists (UCS).

Some Americans are heeding such warnings and working to transform the way the country eats — ranchers and farmers who are raising sustainable food in ways that don't bankrupt the earth. Documentaries like the scathing Food Inc. and the work of investigative journalists like Eric Schlosser and Michael Pollan are reprising Sinclair's work, awakening a sleeping public to the uncomfortable realities of how we eat. Change is also coming from the very top. First Lady Michelle Obama's White House garden has so far yielded more than 225 lb. of organic produce — and tons of powerful symbolism. But hers is still a losing battle. Despite increasing public awareness, sustainable agriculture, while the fastest-growing sector of the food industry, remains a tiny enterprise: according to the most recent data from the U.S. Department of Agriculture (USDA), less than 1% of American cropland is farmed organically. Sustainable food is also pricier than conventional food and harder to find. And while large companies like General Mills have opened organic divisions, purists worry that the very definition of sustainability will be co-opted as a result.

But we don't have the luxury of philosophizing about food. With the exhaustion of the soil, the impact of global warming and the inevitably rising price of oil — which will affect everything from fertilizer to supermarket electricity bills — our industrial style of food production will end sooner or later. As the developing world grows richer, hundreds of millions of people will want to shift to the same calorie-heavy, protein-rich diet that has made Americans so unhealthy — demand for meat and poultry worldwide is set to rise 25% by 2015 — but the earth can no longer deliver. Unless Americans radically rethink the way they grow and consume food, they face a future of eroded farmland, hollowed-out countryside, scarier germs, higher health costs — and bland taste. Sustainable food has an élitist reputation, but each of us depends on the soil, animals and plants — and as every farmer knows, if you don't take care of your land, it can't take care of you.

The Downside of Cheap
For all the grumbling you do about your weekly grocery bill, the fact is you've never had it so good, at least in terms of what you pay for every calorie you eat. According to the USDA, Americans spend less than 10% of their incomes on food, down from 18% in 1966. Those savings begin with the remarkable success of one crop: corn. Corn is king on the American farm, with production passing 12 billion bu. annually, up from 4 billion bu. as recently as 1970. When we eat a cheeseburger, a Chicken McNugget, or drink soda, we're eating the corn that grows on vast, monocrop fields in Midwestern states like Iowa.

But cheap food is not free food, and corn comes with hidden costs. The crop is heavily fertilized — both with chemicals like nitrogen and with subsidies from Washington. Over the past decade, the Federal Government has poured more than $50 billion into the corn industry, keeping prices for the crop — at least until corn ethanol skewed the market — artificially low. That's why McDonald's can sell you a Big Mac, fries and a Coke for around $5 — a bargain, given that the meal contains nearly 1,200 calories, more than half the daily recommended requirement for adults. "Taxpayer subsidies basically underwrite cheap grain, and that's what the factory-farming system for meat is entirely dependent on," says Gurian-Sherman.

So what's wrong with cheap food and cheap meat — especially in a world in which more than 1 billion people go hungry? A lot. For one thing, not all food is equally inexpensive; fruits and vegetables don't receive the same price supports as grains. A study in the American Journal of Clinical Nutrition found that a dollar could buy 1,200 calories of potato chips or 875 calories of soda but just 250 calories of vegetables or 170 calories of fresh fruit. With the backing of the government, farmers are producing more calories — some 500 more per person per day since the 1970s — but too many are unhealthy calories. Given that, it's no surprise we're so fat; it simply costs too much to be thin.

Our expanding girth is just one consequence of mainstream farming. Another is chemicals. No one doubts the power of chemical fertilizer to pull more crop from a field. American farmers now produce an astounding 153 bu. of corn per acre, up from 118 as recently as 1990. But the quantity of that fertilizer is flat-out scary: more than 10 million tons for corn alone — and nearly 23 million for all crops. When runoff from the fields of the Midwest reaches the Gulf of Mexico, it contributes to what's known as a dead zone, a seasonal, approximately 6,000-sq.-mi. area that has almost no oxygen and therefore almost no sea life. Because of the dead zone, the $2.8 billion Gulf of Mexico fishing industry loses 212,000 metric tons of seafood a year, and around the world, there are nearly 400 similar dead zones. Even as we produce more high-fat, high-calorie foods, we destroy one of our leanest and healthiest sources of protein.

The food industry's degradation of animal life, of course, isn't limited to fish. Though we might still like to imagine our food being raised by Old MacDonald, chances are your burger or your sausage came from what are called concentrated-animal feeding operations (CAFOs), which are every bit as industrial as they sound. In CAFOs, large numbers of animals — 1,000 or more in the case of cattle and tens of thousands for chicken and pigs — are kept in close, concentrated conditions and fattened up for slaughter as fast as possible, contributing to efficiencies of scale and thus lower prices. But animals aren't widgets with legs. They're living creatures, and there are consequences to packing them in prison-like conditions. For instance: Where does all that manure go?

Pound for pound, a pig produces approximately four times the amount of waste a human does, and what factory farms do with that mess gets comparatively little oversight. Most hog waste is disposed of in open-air lagoons, which can overflow in heavy rain and contaminate nearby streams and rivers. "This creek that we used to wade in, that creek that our parents could drink out of, our kids can't even play in anymore," says Jayne Clampitt, a farmer in Independence, Iowa, who lives near a number of hog farms.

To stay alive and grow in such conditions, farm animals need pharmaceutical help, which can have further damaging consequences for humans. Overuse of antibiotics on farm animals leads, inevitably, to antibiotic-resistant bacteria, and the same bugs that infect animals can infect us too. The UCS estimates that about 70% of antimicrobial drugs used in America are given not to people but to animals, which means we're breeding more of those deadly organisms every day. The Institute of Medicine estimated in 1998 that antibiotic resistance cost the public-health system $4 billion to $5 billion a year — a figure that's almost certainly higher now. "I don't think CAFOs would be able to function as they do now without the widespread use of antibiotics," says Robert Martin, who was the executive director of the Pew Commission on Industrial Farm Animal Production.

The livestock industry argues that estimates of antibiotics in food production are significantly overblown. Resistance "is the result of human use and not related to veterinary use," according to Kristina Butts, the manager of legislative affairs for the National Cattlemen's Beef Association. But with wonder drugs losing their effectiveness, it makes sense to preserve them for as long as we can, and that means limiting them to human use as much as possible. "These antibiotics are not given to sick animals," says Representative Louise Slaughter, who is sponsoring a bill to limit antibiotic use on farms. "It's a preventive measure because they are kept in pretty unspeakable conditions."

Such a measure would get at a symptom of the problem but not at the source. Just as the burning of fossil fuels that is causing global warming requires more than a tweaking of mileage standards, the manifold problems of our food system require a comprehensive solution. "There should be a recognition that what we are doing is unsustainable," says Martin. And yet, still we must eat. So what can we do?

Getting It Right
If a factory farm is hell for an animal, then Bill Niman's seaside ranch in Bolinas, Calif., an hour north of San Francisco, must be heaven. The property's cliffside view over the Pacific Ocean is worth millions, but the black Angus cattle that Niman and his wife Nicolette Hahn Niman raise keep their eyes on the ground, chewing contentedly on the pasture. Grass — and a trail of hay that Niman spreads from his truck periodically — is all the animals will eat during the nearly three years they'll spend on the ranch. That all-natural, noncorn diet — along with the intensive, individual care that the Nimans provide their animals — produces beef that many connoisseurs consider to be among the best in the world. But for Niman, there is more at stake than just a good steak. He believes that his way of raising farm animals — in the open air, with no chemicals or drugs and with maximum care — is the only truly sustainable method and could be a model for a better food system. "What we need in this country is a completely different way of raising animals for food," says Hahn Niman, a former attorney for the environmental group Earthjustice. "This needs to be done in the right way."

The Nimans like to call what they do "beyond organic," and there are some signs that consumers are beginning to catch up. This November, California voters approved a ballot proposition that guarantees farm animals enough space to lie down, stand up and turn around. Worldwide, organic food — a sometimes slippery term but on the whole a practice more sustainable than conventional food — is worth more than $46 billion. That's still a small slice of the overall food pie, but it's growing, even in a global recession. "There is more pent-up demand for organic than there is production," says Bill Wolf, a co-founder of the organic-food consultancy Wolf DiMatteo and Associates.

So what will it take for sustainable food production to spread? It's clear that scaling up must begin with a sort of scaling down — a distributed system of many local or regional food producers as opposed to just a few massive ones. Since 1935, consolidation and industrialization have seen the number of U.S. farms decline from 6.8 million to fewer than 2 million — with the average farmer now feeding 129 Americans, compared with 19 people in 1940.

It's that very efficiency that's led to the problems and is in turn spurring a backlash, reflected not just in the growth of farmers' markets or the growing involvement of big corporations in organics but also in the local-food movement, in which restaurants and large catering services buy from suppliers in their areas, thereby improving freshness, supporting small-scale agriculture and reducing the so-called food miles between field and plate. That in turn slashes transportation costs and reduces the industry's carbon footprint.

A transition to more sustainable, smaller-scale production methods could even be possible without a loss in overall yield, as one survey from the University of Michigan suggested, but it would require far more farmworkers than we have today. With unemployment approaching double digits — and things especially grim in impoverished rural areas that have seen populations collapse over the past several decades — that's hardly a bad thing. Work in a CAFO is monotonous and soul-killing, while too many ordinary farmers struggle to make ends meet even as the rest of us pay less for food. Farmers aren't the enemy — and they deserve real help. We've transformed the essential human profession — growing food — into an industry like any other. "We're hurting for job creation, and industrial food has pushed people off the farm," says Hahn Niman. "We need to make farming real employment, because if you do it right, it's enjoyable work."

One model for how the new paradigm could work is Niman Ranch, a larger operation that Bill Niman founded in the 1990s, before he left in 2007. (By his own admission, he's a better farmer than he is a businessman.) The company has knitted together hundreds of small-scale farmers into a network that sells all-natural pork, beef and lamb to retailers and restaurants. In doing so, it leverages economies of scale while letting the farmers take proper care of their land and animals. "We like to think of ourselves as a force for a local-farming community, not as a large corporation," says Jeff Swain, Niman Ranch's CEO.

Other examples include the Mexican-fast-food chain Chipotle, which now sources its pork from Niman Ranch and gets its other meats and much of its beans from natural and organic sources. It's part of a commitment that Chipotle founder Steve Ells made years ago, not just because sustainable ingredients were better for the planet but because they tasted better too — a philosophy he calls Food with Integrity. It's not cheap for Chipotle — food makes up more than 32% of its costs, the highest in the fast-food industry. But to Ells, the taste more than compensates, and Chipotle's higher prices haven't stopped the company's rapid growth, from 16 stores in 1998 to over 900 today. "We put a lot of energy into finding farmers who are committed to raising better food," says Ells.

Bon Appétit Management Company, a caterer based in Palo Alto, Calif., takes that commitment even further. The company sources as much of its produce as possible from within 150 miles of its kitchens and gets its meat from farmers who eschew antibiotics. Bon Appétit also tries to influence its customers' habits by nudging them toward greener choices. That includes campaigns to reduce food waste, in part by encouraging servers at its kitchens to offer smaller, more manageable portions. (The USDA estimates that Americans throw out 14% of the food we buy, which means that much of our record-breaking harvests ends up in the garbage.) And Bon Appétit supports a low-carbon diet, one that uses less meat and dairy, since both have a greater carbon footprint than fruit, vegetables and grain. The success of the overall operation demonstrates that sustainable food can work at an institutional scale bigger than an élite restaurant, a small market or a gourmet's kitchen — provided customers support it. "Ultimately it's going to be consumer demand that will cause change, not Washington," says Fedele Bauccio, Bon Appétit's co-founder.

How willing are consumers to rethink the way they shop for — and eat — food? For most people, price will remain the biggest obstacle. Organic food continues to cost on average several times more than its conventional counterparts, and no one goes to farmers' markets for bargains. But not all costs can be measured by a price tag. Once you factor in crop subsidies, ecological damage and what we pay in health-care bills after our fatty, sugary diet makes us sick, conventionally produced food looks a lot pricier.

What we really need to do is something Americans have never done well, and that's to quit thinking big. We already eat four times as much meat and dairy as the rest of the world, and there's not a nutritionist on the planet who would argue that 24‑oz. steaks and mounds of buttery mashed potatoes are what any person needs to stay alive. "The idea is that healthy and good-tasting food should be available to everyone," says Hahn Niman. "The food system should be geared toward that."

Whether that happens will ultimately come down to all of us, since we have the chance to choose better food three times a day (or more often, if we're particularly hungry). It's true that most of us would prefer not to think too much about where our food comes from or what it's doing to the planet — after all, as Chipotle's Ells points out, eating is not exactly a "heady intellectual event." But if there's one difference between industrial agriculture and the emerging alternative, it's that very thing: consciousness. Niman takes care with each of his cattle, just as an organic farmer takes care of his produce and smart shoppers take care with what they put in their shopping cart and on the family dinner table. The industrial food system fills us up but leaves us empty — it's based on selective forgetting. But what we eat — how it's raised and how it gets to us — has consequences that can't be ignored any longer.

domingo, 30 de agosto de 2009

Como a Formiga*

Foi só o verão resolver brincar de ir embora para eu me lembrar que agora é hora de armazenar alguns itens para o inverno. Aproveitei que o dia que estava lindo(mas foi só chegar no meu destino para cair aquela chuva) e a minha folga, para ir ao Jean-Talon para aproveitar os tomates abundantes e os generosos ramos de manjericão.

Os tomates foram direto para o forno(e por lá ainda estão) para virarem tomate seco e o manjericão virou um pesto espetacular, dessa vez deixei o mixer de lado e fiz o pesto no pilão, ficou sensacional, nova receita para o meu caderno, pesto com o mixer nunca mais. Já que estava no Jean-Talon comprei azeitonas para fazer uma tapenade, receita que queria experimentar há tempos, desde que comprei um potinho esperto de anchovas no Costco.

Fica a ressalva que os tomates ficam de 5 a 6 horas no forno, então eles devem ser feitos em dias de temperatura amena, porque se não já viu, a casa vira uma estufa.

TAPENADE

250g de azeitonas pretas sem caroço
8 fillets de anchova em óleo
1 dente de alho
2 colheres de sopa de mostarda de Dijon
3 colheres sopa de alcaparras passadas por água
100 ml de azeite extra virgem
Sumo de 1 limão
1 colher de sopa de salsinha
Pimenta-do-reino moída na hora

No robot de cozinha reduza a purê as azeitonas juntamente com as anchovas, o alho e as alcaparras.

Continuando a moer, junte o azeite e a mostarda.

Passe para uma taça e tempere com o sumo de limão, pimenta-do-reino e a salsinha

Cubra com película aderente e reserve na geladeira até servir.

TOMATE SECO:

- 1kg de tomates maduros e firmes (tipo pêra)
- 5 colheres (sopa) rasas de açúcar
- 2 colheres (sopa) rasas de sal
- Orégano à vontade (para forno e montagem)
- 1 1/2 xícara (chá) de azeite de oliva
- 8 dentes de alho amassados

PARA A MONTAGEM:

- Azeite extra-virgem (quanto for necessário)
- 150g de alcaparras
- 150g de azeitonas verdes sem caroço em rodelas
- 150g de azeitonas pretas sem caroço em rodelas
- 1 pacote de queijo parmesão fresco

Modo de Preparo

Lave bem os tomates, seque, retire o talinho e parta ao meio. Numa fôrma, coloque um ao lado do outro, de barriguinha para cima. Polvilhe a mistura de açúcar com o sal sobre os tomates e leve ao forno a uma temperatura de 190ºC a 240ºC, por 45 minutos (mais ou menos). Retire a fôrma do forno, vire os tomates e jogue fora o caldinho que juntou na fôrma. Leve de volta para o forno na mesma temperatura por 40 minutos (mais ou menos), olhando sempre. Retire do forno novamente, desvire os tomates e regue com 3 colheres (sopa) de azeite, salpicando orégano e o alho amassado. Leve ao forno por mais 35 minutos. Vá desvirando de 30 em 30 minutos até chegar no ponto de assadinho e sequinho. Dependendo do forno, demora de 5 a 6 horas.

MONTAGEM: Distribua num vidro esterilizado camadas de tomate seco, colocando azeite virgem ou óleo de milho até cobrir. Deixe descansar.

OPÇÃO: Você pode intercalar os tomates com alcaparras, azeitonas verdes ou pretas e queijo parmesão fresco

PESTO do Panelinha

4 dentes de alho
1 colher (chá) de sal
1 xícara (chá) de manjericão fresco
3 colheres (chá) de pinoli ou de nozes (sem casca)
100 g de queijo peccorino ou de parmesão ralado
1/2 xícara (chá) de azeite de oliva
pimenta-do-reino a gosto


1. Com a ajuda de uma faca, descasque os dentes de alho. Passe pelo espremedor e coloque a pasta de alho numa tigela. Acrescente 1 colher (chá) de sal e misture muito bem.

2. No processador de alimentos ou com um pilão, triture os pinoli ou as nozes. Em seguida, junte os pinoli ou as nozes à pasta de alho e sal e misture bem.

3. Sob água corrente, lave muito bem as folhas de manjericão. Seque com papel-toalha. Com uma faca afiada, pique fino o manjericão. A seguir, acrescente as folhas picadas à mistura de alho e pinoli (ou nozes). Misture bem.

4. Por último, junte o queijo e o azeite e misture muito bem até obter uma pasta homogênea. Tempere com um pouco de pimenta-do-reino e sirva a seguir. Se quiser armazenar, transfira para um pote de vidro esterilizado e mantenha em geladeira.

OBS: Potes de vidro podem ser reutilizados para conservas, molhos, ou mesmo geléias, feitos em casa. Mas primeiro eles devem ser muito bem esterilizados. Para isso, leve bastante água para ferver numa panela grande; coloque o vidro e sua tampa na panela e deixe ferver por no mínimo 15 minutos.

Para retirar o vidro e a tampa, utilize uma pinça de cozinha e deixe-os escorrer sobre um pano de prato limpo. Atenção: não coloque o vidro sobre nenhuma superfície muito gelada, como mármore, pois o vidro pode estourar. Só use os potes esterilizados depois que eles esfriarem totalmente.

* Da Fábula a Cigarra e a Formiga

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Le Fil d'Ariane

Outro dia estava trabalhando no departamento dos livros em Francês na livraria e um cliente chegou, olhou para o meu crachá e disse: "Ariane, comme le fil d'Ariane"...eu no hora não entendi, cheguei em casa e fui para o google pesquisar o significado e para a minha surpresa(não imaginava mesmo, sempre soube que Ariane era um programa espacial Francês) Ariane é uma das deusas da mitologia grega:

Ariadne ou Ariane é a filha de Minos, rei de Tebas.

Apaixonou-se por Teseu quando este foi mandado a Creta, voluntariamente, como sacrifício ao minotauro que habitava o labirinto construido por Dédalo e tão bem projetado que quem se aventurasse por ele não conseguiria mais sair.

Este amor foi retribuido, e Ariadne deu uma espada para que Teseu enfrentasse o Minotauro e um novelo de linha pra que ele pudesse achar o caminho de volta. Teseu saiu vitorioso, e partiu de volta à sua terra com Ariadne.

No caminho de volta passaram em Naxos onde Teseu abandonou-a adormecida. Ao acordar, vendo-se sozinha, Ariadne se desespera. Vênus, ao perceber seu desespero, se apieda de Ariadne e promete a ela um amante imortal, em lugar do ingrato mortal que tivera.

Naxos era a ilha preferida de Baco, filho de Júpiter e Sêmele, e lá foi deixado depois de ter sido capturado por marinheiros. Encontrando Ariadne em seu desespero, Baco a consola e a toma como esposa.

Dá a ela uma coroa de ouro como presente de casamento, cravejada de pedras preciosas que ele atira ao céu quando Ariadne morre e, conservando sua forma, se tornam estrelas (Corona Borealis) brilhantes entre Hércules ajoelhado e o homem que segura a serpente.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Yoga


Em Fevereiro eu falei aqui sobre o Pilates que eu estava fazendo na YMCA perto do trabalho. Eu namorei por muitos anos a idéia de praticar Pilates, mas os preços absurdos cobrados pelos estúdios e o meu bom senso nunca permitiram. Até que eu descobri que a YMCA tinha muitas aulas de Pilates e que o preço da mensalidade era muito bacaninha(CAN$ 50.00) e que ela estava localizada, estourando à 1 minuto a pé do meu trabalho.

Eu fiquei impressionada com a minha disciplina, estava indo na academia quase todos os dias e gostando cada vez mais das aulas de Pilates, mas depois de uns meses comecei a precisar de mais, parecia que estava faltando alguma coisa*, foi aí que eu comecei a ir nas aulas de Yoga da própria Y e adorei, fiquei tão empolgada que comprei um DVD e comecei a fazer yoga também em casa. Eu tinha procurado estúdios de yoga em Montréal, mas os preços eram absurdos e o meu salário ainda não me permite ter um gasto mensal tão alto, então a Y e o meu DVD pareciam ser o meio termo entre o que eu gostaria de fazer e o que era acessível para mim no momento.

Até que um belo dia pipoca um e-mail de uma menina que trabalhou comigo por alguns meses na livraria, eu sempre soube que ela estava fazendo um treinamento para ser professora de yoga e as nossas conversas sempre terminavam com a frase"nossa quando você se formar eu quero fazer aula com você", mas nunca passava disso, ela saiu da livraria e nós nunca mais nos falamos, até esse e-mail, onde ela me convidou para ter aulas, já que ela estava na fase final do treinamento e precisava de alunos, eu não pensei nem por um segundo antes de aceitar e nós começamos a nossas aulas. Logo na primeira percebi que nunca mais iria conseguir fazer as aulas da Y da mesma forma, agora eu tinha outras necessidades que a Y não poderia mais suprir, fui levando por um tempo, fazia aulas na Y quando não conseguia marcar um dia para ter aula com a minha amiga.

Há umas duas semanas percebi que não não dava mais, comecei a procurar aulas gratuitas de yoga e conhecer os estúdios*, por isso que resolvi escrever esse post(que ficou imenso!! - para os meus padrões).

Na minha procura achei alguns lugares que oferecem aulas gratuitas, a que tem a maior variedade é a Lululemon, loja que vende roupa para prática de yoga e que tem, por sinal, o melhor tapete para yoga que eu já usei, as roupas são caras, mas os tapetes custam CAN$ 30.00 e são ótimos, fora que é altamente recomendado você utilizar o seu próprio tapete e não dividir com ninguém, por questões de higiêne(né mãe?). O único problema das aulas da Lululemon são os horários, eles fazem uma prática toda quarta-feira ao meio-dia no parque Jeanne-Mance, é para quem tem mesmo os horários flexíveis.

Domingo fui nesse estúdio na St-Laurent
que oferece aulas gratuitas aos domingos 17h00. Tem que chegar cedo porque lota, não simpatizei com o método deles, mas a gente tem sempre que experimentar antes de dizer não.

Esse estúdio na St-Denis é onde a minha amiga faz o treinamento, o meu preferido, mas caro que só, eu estava juntando dinheiro para pagar os primeiros 3 meses quando ela me mandou o e-mail e nós começamos as nossas aulas.


*Fica a obs. que o Pilates é a ginástica mais eficiente que eu já fiz, é um método maravilhoso e recomendo para todo mundo que tem vontade de experimentar. Mas muito do método é copy paste da yoga, alguns exercícios são idênticos, mas toda a parte espiritual, de meditação e filosofia foi deixado para trás e isso eu também estava procurando e achei na yoga, foi um insight: "nossa os exercícios fazem muito mais sentido agora".

*Minha amiga está terminando o treinamento dela e está atarefada e não é toda semana que conseguimos fazer aula, ela deve tirar o certificado em Setembro que é quando nós devemos voltar a fazer as aulas com frequência.

O professor da Y sempre termina as aulas com essa frase que eu acho linda - "The truth and beauty in me recognizes and honors the truth and beauty in you" - Algo como "A verdade e a beleza que existem em mim reconhecem e saudam a verdade e a beleza que existem em você"

Namaste

domingo, 23 de agosto de 2009

Toda Tarde De Domingo


domingo (latim [dies] dominicus, dia do Senhor) s. m.
Primeiro dia da semana, depois de sábado e antes de segunda-feira; Relig. Na tradição cristã, último dia da semana, consagrado ao descanso e à oração.

Para que o domingo não ficasse à mercê da pontinha de preguiça que faz parte de mim fui para cozinha assar um Bolo de Fubá, que estava em stand-by desde que meus pais voltaram para casa. A chuva que estava chegando devagarinho pedia um chá com bolo e eu ainda estou para descobrir uma receita de bolo que combine mais com chá do que um bom Bolo de Fubá. Aproveitei que estava envolvida com o forno&fogão e fiz a receita de cookies de aveia e uva-passa da Tia Martha, que nunca deixa a desejar. O chá encerrou o domingo, fez a semana começar bem, agora eu vou dar um abraço em Morfeu para começar a segunda bem.


A receita do Bolo de Fubá está aqui.

Chocolate Oatmeal Raisin Cookies

- 1 1/2 cups all-purpose flour (spooned and leveled)
- 1 teaspoon baking soda
- 1 teaspoon salt
- 1 cup (2 sticks) unsalted butter, room temperature
- 3/4 cup packed light-brown sugar
- 3/4 cup granulated sugar
- 2 large eggs
- 1 teaspoon vanilla extract
- 2 1/2 cups rolled oats
- 1 1/2 cups raisins
- 1 package (12 ounces) semi-sweet chocolate chips

1. Preheat oven to 375 degrees. In a medium bowl, whisk together flour, baking soda, and salt; set aside. With an electric mixer, cream butter and sugars until light and fluffy.

2. Add eggs and vanilla; beat until combined, scraping down sides of bowl as needed. Add flour mixture; beat until just combined. Add oats, raisins, and chocolate chips; beat until just combined.

3. Drop 32 heaping tablespoons of batter, about 1 1/2 inches apart, onto baking sheets. Bake, rotating sheets halfway through, until cookies have spread and are golden brown and soft to the touch, 10 to 12 minutes. Cool 5 minutes on sheets; transfer to a wire rack to cool completely.

sábado, 22 de agosto de 2009

Esquenta


Eu aproveitei o esquenta pré-balada na casa da vizinha para fazer essa receita de rolinhos de beringela, que entrou no repertório de entradas com 100% de aprovação, não é a toa que ele está na sessão "Prata da Casa" do livro de receitas do Carlota. Desde que cheguei ainda não tinha feito a receita por aqui, nunca casou, mas hoje a ocasião era perfeita. Os rolinhos não exigem muitos dotes culinários, só é preciso prestar atenção em alguns detalhes: as fatias de beringela devem ser o mais finas possível e a frigideira deve ser pré-aquecida para que a beringela não solte muita água e fique sequinha.

Rolinhos de Beringela*

2 beringelas médias com casca, fatiadas finamente na horizontal
1 pote de cream-cheese(22og)
12 tomates secos cortados em tiras
folhas de manjericão fresco

Grelhar as fatias de beringela numa frigedeira anti-aderente.

Dispor 1 colher de chá rasa de cream-cheese, 1 tira de tomate seco e duas folhinhas de manjericão sobre cada fatia de beringela, no sentido da largura. Enrolar formando rolinhos de cerca de 1 cm de diâmetro.

para o molho
1 receita de molho pesto
1 copo de iogurte natural

Incorpore o iogurte no molho pesto. Sirva gelado acompanhando os rolinhos.

*Do livro - Carlota, Balaio de Sabores - Carla Pernambuco

terça-feira, 18 de agosto de 2009

domingo, 16 de agosto de 2009

O Buddha Verde


Essa descoberta é 100% mérito da vizinha, nas nossas conversas nós nos referimos à ele como o restô do Buddha, pois o Buddha verde pintado na parede é a primeira coisa que você vê quando chega no restaurante, recentemente eu tive a curiosidade de olhar o nome escrito na porta, Tampopo, mas continuo achando mais legal chamar os amigos para comer no Buddha. O lugar é pequeno, tem só quatro mesas, todas estilo japonês com tatami, você tem que tirar o sapato para sentar. Ele é disputadíssimo, já cheguei a esperar mais de 45 minutos por uma mesa, mas para quem gosta de um ambiente mais relax e descontraído, de comida asiática vale muito a pena, os preços são camaradas, os pratos bem servidos e as garçonetes uma simpatia. Já comi algumas das opções do cardápio, mas nenhuma bateu o Gado Gado, que é feito com macarrão de arroz japonês, legumes, frango e molho picante de amendoim. Deu até água na boca....

Vai lá
4449 rue Mentana
(coin Mont-Royal)
514.526.0001

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Pedala Robinho

Foi assim que eu me senti quando o atendente da central de atendimento da Bixi me falou o total que foi cobrado no meu cartão de crédito pelas duas bikes que eu aluguei ontem.

Ontem o dia estava lindo, sol, calor e a minha folga pela frente, quando a vizinha me convidou para fazer um passeio de bike não pensei duas vezes e lá fomos nós testar as tão comentadas Bixis, sucesso total em Montréal, como as Vélibs de Paris, exportadas para Londres e Boston, etc, etc. Eu achei a oportunidade ótima para fazer um teste drive antes de fazer o pacote mensal(desde que eu cheguei que namoro a idéia de ter uma bicicleta, mas por diversos motivos ainda não comprei uma e a possibilidade de alugar uma bike quando você quer dar um passeio me agradava muito). Mas eu não entendi direito como o sistema funcionava, eu entendi que você pagava uma diária de 5 dólares para ter direito a uma bicicleta por 24 horas e que se você trocasse de bicicleta nos docks começava a pagar os adicionais. Mas ledo engano, 5 dólares é o preço para ter direito a um código por 24h, durante esse período você pode fazer trajetos ilimitados MAS esses trajetos não podem passar de 30 minutos, passados 30 minutos você começa a pagar as tarifas(muito salgadas por sinal).

Não vou tirar a minha parte de responsabilidade da jogada porque fui eu que fiz confusão e não entendi direito, mas que eles escreveram de uma forma extremamente confusa eles escreveram, levando-se em conta que nós duas somos pessoas educadas e esclarecidas e as duas entedem francês e inglês sendo que a vizinha é une vraie bilingue, problema com a língua não foi, o negócio é mal explicado mesmo. Para quem ainda não experimentou a Bixi e quer experimentar ela funciona assim, você pode fazer a inscrição por um ano(de Maio a Novembro) por CAN$ 78.00, por um mês CAN$ 28.00 ou por um dia CAN$ 5.00. Essa inscrição só te dá direito ao acesso às bicicletas nos docks, cada bicicleta que você tira você tem 30 minutos gratuitos, passados os 30 minutos vocês tem que devolver a bicicleta em qualquer dock se não você começa a pagar as tarifas, + 30 minutos CAN$ 1.50, + 30 minutos CAN$ 3.00 e para cada 30 minutos subseqüentes CAN$ 6.00. Eu e a vizinha saímos ambas despreocupadas e empolgadíssimas com as bicicletas, andamos com elas 2 horas e a brincadeira saiu por CAN$ 38.00.

Ou seja a Bixi é perfeita para quem quer usar a magrela como meio de transporte, para fazer pequenos trajetos(30 minutos é o tempo médio de locomoção no centro de Montréal, onde estão localizados os docks da Bixi). A idéia é não vá de busão e metrô, vá de bicicleta. Nesse sentido ela realmente é ótima, MAS se você como eu quer a magrela para fazer passeio no seu dia de folga a Bixi não é para você. Confusões a parte o sistema continua sendo caro, segundo o artigo que saiu no La Presse, comparado com Paris, Munique, Barcelone e Lyon Montréal é a cidade onde o serviço é mais caro(no artigo tem uma tabela comparativa).

A prova que nós não nos enganamos tanto assim é esse post do blog Urban Green Girl, escrito há pouco menos de um mês, a dona do blog também cometeu o mesmo erro e ela é da terrinha.

Valeu para experimentar mas na próxima vez eu vou de taxi, minhas convicções de ser green e eco-friendly só vão até onde dói o bolso.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Xô Preguiça

Tenho que confessar aqui que andava meio preguiçosa para cozinhar, não tinha inspiração para fazer nada e estava com vontade zero de ficar horas na cozinha(coisa que normalmente eu faço com prazer), junto com a minha preguiça de cozinhar caminhava uma apatia tão grande pela comida da praça de alimentação, sabe quando você não quer nada, nada agrada, já estava ficando enjôada de mim mesma e achei que já estava mais do que na hora de voltar para cozinha. Semana passada a nova edição da Elle à la Table chegou na loja e eu fiquei com a edição anterior, uma receita de beringelas grelhadas chamou a minha atenção, resolvi experimentar, fiz algumas alterações na receita, na minha versão eu coloquei uma abobrinha, champignons e molho pesto e usei mussarela ou invés do queijo Comté para gratinar, ficou danado de bom e me rendeu muitas quentinhas para levar para o trabalho essa semana. Mas não parei por aí, há muito tempo eu faço coalhada seca em casa, o preparo é muito simples e a coalhada é uma boa substituta do cream-cheese e fecha perfeitamente a combinação hommus e babaganouch. O problema é que não conseguia achar coador de café aqui, achava sempre o filtro para vender mas não o coador, o jeito foi esperar a visita dos meus pais para equipar a minha cozinha com um coador de café e os seus respectivos filtros. Com os equipamentos na mão hoje eu fiz a minha primeira coalhada seca em Montréal(mas que marco), ela está lá na cozinha escorrendo só vai ficar pronta amanhã, perfeita para ser misturada com um pouco de mel e essência de baunilha e ir direto para o pão do café da manhã.

Coalhada fresca

1 l de leite tipo A
1 copo de iogurte natural

Numa panela, leve o leite ao fogo alto. Quando ferver, desligue e deixe amornar até que não haja mais vapor. Adicione o iogurte e misture com uma colher, mexendo sempre no mesmo sentido. Transfira para uma tigela e tampe com um prato. Embrulhe com um pano de prato e guarde no forno desligado ou dentro de um armário. Depois de 7 horas leve a coalhada à geladeira. O ideal é fazer da noite para o dia. Assim não tem perigo de ficar chacoalhando, tira daqui, passa pra lá...

Coalhada seca

Para fazer a coalhada seca, basta deixar a coalhada fresca escorrer durante um dia inteiro dentro de um coador descartável de papel. Coloque o coador de café dentro do suporte de cafeteira e deixe o soro escorrendo em um copo. Quando estiver pronta, você pode temperá-la com sal e azeite de oliva. Descarte o soro e leve a coalhada à geladeira.


Tian d'aubergines au basilic

3 aubergines
1 gousse d'ail
50 cl de bon coulis de tomate
50g de parmesan râpé
1 c. à soupe d'huile d'olive

Préchauffez le four à 6/180º. Lavez, essuyez et coupez les aubergines en tranches. Plongez-les dans une casserole d'eau bouillante salée et faites-les blanchir 3 mn. Egouttez-les et séchez-les avec du papier absorbant. Frottez un plat à four avec la gousse d'ail pelée. Disposez les tranches d'aubergines et le coulis de tomate en alternant 1 couche d'aubergines, 1 couche de coulis...et finissez par le coulis. Mélangz dans un grand bol le parmesan râpé, le comté râpé, du poivre et le basilic ciselé. Répartissez ce mélange sur le dessus du plat. Arrosez d'un filet d'huile d'olive, enfournez et faites cuire 40 mn environ. Le dessus doit être bien doré.

PS: Umas vez meu pai me perguntou se o soro do leite poderia ser utilizado para alguma coisa, eu respondi que não porque na época eu não sabia que ele pode ser utilizado como buttermilk, descobri outro dia lendo o blog La Cucinetta:

"
O benefício extra é ter mais de 1 litro de soro assim, de lambuja. O soro do leite que resta da fabricação do cream cheese pode ser utilizado como o buttermilk nas receitas americanas. Também pode substituir parte do caldo em sopas ou parte da água na hora de deixar os grãos secos de molho, pois ele é abarrotado de nutrientes. E, para quem adora tomar shakes de proteínas, saiba que os tais aminoácidos em pó que você toma são retirados [tchanans!] do soro do leite [traduza o nome da marca mais famosa de shake de proteína do mercado... A-há! ;)]. Você pode congelar o soro em cubinhos e batê-los no liqüidificador com frutas , produzindo seu próprio shake de proteína e parando de gastar o que não tem com aqueles imensos potes de pó bizarro. [Hoje de manhã já preparei buttermilk pancakes com o soro, e ficaram ótimas!]

domingo, 9 de agosto de 2009

A Gente Vai Levando

Texto do Blog da Rita Lobo

Era a primeira vez que ele jantava no Spot. Mas isso já faz tanto tempo que o rapaz nem se lembraria daquele jantar. Tinha caído de pára-quedas naquela mesa e não parecia querer esconder que estava maravilhado com o lugar, com as pessoas e até com a comida. Recém-chegado do interior, ele não conseguiu segurar o comentário: “Puxa vida, sabendo levar, São Paulo é melhor que Nova York, né não?” O amigo dele, que cresceu na casa colada com a dele, mas vivia em São Paulo há tantos anos, resmungou bem baixinho, em tom sarcástico e com uma pitada de reprovação: “Nossa, mas precisa saber levar muito bem, hein?”

Achei a frase engraçada. E passei a usá-la com freqüência. Mais em pensamento do que em voz alta. E, boa parte das vezes, com sentido oposto. Como diria o meu pai, fazendo chacota. Uma década depois, porém, a frase resolveu invadir a minha cabeça durante o fim de semana todo. E, na maioria das vezes, no sentido original.

Na sexta-feira, meu marido e eu estávamos nos preparando para sair quando Gabriel, que já está com quase 5 anos, perguntou se poderia ir jantar conosco. Um pedido incomum. Decidimos levá-lo. Fomos andando até o Le vin, restaurante que se encaixa na categoria sabendo-levar-São-Paulo-é-melhor-que-Paris. Gabriel já tinha jantado (eram 9 horas da noite), mas queria comer batatas fritas. E as batatas fritas de lá são realmente deliciosas. Antes mesmo de escolher uma taça de vinho para mim, pedi ao garçom que comandasse rapidinho a batata do meu filho. Ele voltou para tirar o pedido das bebidas com as fritas já em mãos. Em seguida, colocou na mesa o couvert: pão, manteiga e patê de fígado de galinha. “Mamãe, o que é isso? É para comer com o pão ou com a batata?” Espalhei um pouquinho de patê no pão, mas bem pouquinho, pois estava certa de que teria de pegar um guardanapinho de papel para ele cuspir.

“Gostou, Gabriel?” Ele respondeu que achou uma delícia e enfiou uma batata no potinho de patê. Assim, numa sexta-feira, como outra qualquer para nós, e especial para o Gabriel, que jantava num restaurante francês pela primeira vez, nasceu o gosto dele por batata frita com patê de fígado de galinha. Nada mal, aliás.

Pedi minha taça de vinho, mas não sem antes deixar de reparar que o rapaz que sempre nos atende mudou o penteado: ele ficou com cara de garçom francês! E, naquele momento, mesmo sem ter tomado a taça de vinho, um pedaço de mim concluiu que, sabendo levar, São Paulo estava melhor que Paris.

Sábado acordou ensolarado. Eu acordei da escuridão de um pesadelo que prefiro nem pensar. Levantei, fiz alguns telefonemas, e estavam todos vivos. Depois liguei para a minha amiga Fernanda e combinamos que levaríamos as crianças para tomar café conosco antes de irmos conhecer a Livraria da Vila, recém-inaugurada na Al. Lorena. Entramos no Suplicy e demos de cara com um casal de amigos que encontrou com uma amiga que iria se encontrar com um amigo. Quase um episódio de Friends. E, por um único segundo, pensei que, sabendo levar, São Paulo é melhor que Nova York. Tomamos um bom café, comemos muffins, tomamos mais café e fomos andando até a livraria.

Sabíamos que o piso inferior era dedicado às crianças, mas custamos a chegar lá. Livros, sofás, mais livros, conhecidos, uma amiga, aquele livro que há tempos estava procurando. “Posso deixar separado no caixa?” É a minha mania de perseguição que acha que alguém vai comprar o livro antes de mim. Não que fosse o último, mas... Descemos a escada e os olhos das crianças começaram a brilhar. Pufes coloridos gigantes, um teatrinho com cortina estampada, todos os livros do mundo só para eles e ninguém para impedi-los de brincar. O meu irmão chegou com a minha cunhada e a minha sobrinha Rosa. As crianças ficaram brincando e os adultos foram voando para o andar de cima. Um céu de livros nos esperava. Fui catando, um a um, todos os que eu queria folhear e, num instante, uma pilha se formou nos meus braços. Meu irmão e eu nos sentamos e ficamos praticando leitura dinâmica e conversando ao mesmo tempo. Naquele momento, não pude deter a sensação de que, sabendo levar, São Paulo é melhor que Londres. Ok. Também não vamos exagerar. Mas, um sábado tranqüilo e ensolarado traz esperanças. E a gente vai levando, a gente vai levando essa vida.


sábado, 8 de agosto de 2009

Bagels

Hoje depois de acabar o meu turno no trabalho, que excepcionalmente foi bem longo(9h00-22h00), estava com uma vontade de comer bagels, como a noite estava muito agradável eu resolvi caminhar da Peel até a St-Laurent para pegar o 55 e descer na St-Laurent com a Fairmount, comprar os meus bagels e seguir para casa para um merecido descanço. Mas no meio da St-Catherine tinha a Francopholie, tinha esquecido completamente do Festival, no meio dos palcos eu continuei a minha caminhada em direção a St-Laurent, quando baixinho comecei a escutar alguém cantando em português, fiquei pensando o que um artista brazuca estaria fazendo num festival de música francesa, quando cheguei perto do palco parei para escutar, foi o suficiente para dar meia volta e ir embora depois de escutar uma versão sofrível(fiz o vídeo para comprovar) en français de Águas de Março seguida por uma tentativa frustrada de imitar uma bateria de escola de samba, segui em direção aos meus bagels.


Os Bagels são o destaque desse post, que entra na série dos meus lugares favoritos em Montréal. Eu sei que falar dele é chover no molhado, porque eles estão em todos os guias e todo mundo já ouviu falar que aqui em Montréal os bagels são uma delícia, assim como tudo mundo já ouviu falar da carne defumada do Schawrtz's. Nos meus primeiros meses em Montréal eu só conhecia o bagel St-Viateur que eu acho muito pesado, o da Fairmount é mais levinho, fora que a loja fica aberta 24h, coisa rarissíma por aqui. O lugar é pequenininho e funciona como um padaria expecializada em bagels, o bagel tradicional de gergelim custa CAN$0.70, quando eles acabaram de sair do forno ainda quentinhos eles são ainda mais gostosos, com um pouco de cream-cheese e salmão defumado então...humm fiquei até com água na boca.

Vai lá:
74 avenue Fairmount Ouest
Montreal, QC H2T 2M2
(514) 272-0667

video

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Toi, Moi et Café



Esse post vai inaugurar a série sobre os meus lugares preferidos do bairro onde eu moro. Vou começar com o Toi, Moi et Café, que como mostra a foto fica na esquina da Laurier com a Jeanne-Mance.

Ele é essencialmente um café, mas com um menu de pratos quentes para o almoço e jantar e um cardápio para o café da manhã(que eu ainda não experimentei). Segundo o meu pai(que ao contrário da filha é tomador de café) o expresso é bom. Segundo a minha mãe(que tem padrões altíssimos para um bom café com leite) o café com leite é gostoso(esse eu também tomei e achei ótimo). O serviço é bom, a garçonete que atendeu a gente nas duas vezes que a gente passou por lá foi a única que entendeu o complexo espresso alongé de três dedos do meu pai. Hoje eu dei um pulinho lá para aproveitar o sol(que depois virou chuva), tomar um café e ler um dos livros que eu estava esperando chegar por aqui junto com os meus pais, o novo da Rita Lobo, diretora do Panelinha. Depois de me envolver intensamente com os Harry Potter(com direito a noites em claro que estavam fazendo mal para a minha beleza) precisava de uma leitura mais leve, que não tirasse meu sono. O livro é uma seleção de posts do blog que ela mantém no Panelinha, muito gostoso, comecei e acabei hoje mesmo. A fila dos livros anda(as vezes mais rápido do que o normal).

Vai lá:

244 Avenue Laurier Ouest
Montréal, QC H2T 2N8
(514) 279-9599

Harry Potter



Eu estava com uma lista de assuntos para escrever aqui no blog, mas no meio do caminho algo desviou a minha atenção, depois de dois anos do lançamento do último livro da série eu resolvi reler Harry Potter. A primeira vez que eu ouvi falar do livro foi através da minha mãe, eu lembro perfeitamente de rejeitar a possibilidade de ler os livros na mesma hora, imagina ler livro para criança, pra que perder tempo e fui me ocupar com outros livros que eu julgava muito mais interessantes. No fim eu acabei devorando todos os livros já traduzidos para o português na época e comecei a ler a continuação em inglês por não aguentar de curiosidade e a minha mãe até hoje tira uma com a minha a cara "não era você que não lia livro de criança?" e eu não posso nem retrucar. Faz um tempo que eu queria relê-los pois quando eu os li pela primeira vez, principalmente os últimos eu estava tão ansiosa para saber o que iria acontecer que eu simplesmente ia lendo sem dar muita importância se deixa de entender alguma coisa, eu só queria chegar no final do livro a todo custo, os dois últimos livros eu não lembrava de quase nada a não ser os acontecimentos essênciais era como se eu nem tivesse lido. E eu queria ler também todos os livros em inglês, porque eu li até o Cálice de Fogo em português e os 3 últimos em inglês e algumas coisas não ficaram muito claras, achei melhor começar do primeiro livro. Aos pouquinhos eu fui comprando os livros, de dois em dois para não ficar tão caro(os 7 livros em capa mole custam 110.00$) e fiquei esperando o último sair em capa mole porque sabia que uma vez que comessasse a ler não pararia mais e não ia aguentar ficar esperando. O livro foi lançado dia 05 de Julho e no mesmo dia eu comecei a ler a série, um mês depois de não-conseguir-parar-de-ler-um-minuto, eu terminei, as 5 da manhã(não sei como levantei para ir trabalhar) chorando de soluçar que nem criança. Ainda estou digerindo os livros, mas prometo que logo volto a postar por aqui.