domingo, 21 de dezembro de 2008

Excuse-me, where are the Twilight books?

Essa é a pergunta que eu mais escuto quando estou trabalhando. Antes de começar na Chapters eu nunca tinha ouvido falar desses livros.

[Folha Online]

Quando a revista "Entertainment Weekly" estampou na capa as estrelas de "Crepúsculo", Kristen Stewart e Robert Pattinson, cinco meses antes da estréia do filme nos Estados Unidos, seus editores não deviam imaginar que seria a edição mais vendida do ano, à frente até do número sobre "Batman -O Cavaleiro das Trevas". Desde então, este filme sobre vampiros e amor na adolescência virou um dos maiores fenômenos a atingir Hollywood em 2008.

Feito com US$ 37 milhões, "Crepúsculo", que estréia hoje no Brasil, já faturou US$ 150 milhões desde sua estréia há um mês nos EUA. Cobriu seus custos de produção nos primeiros três dias de exibição só em território americano.

Sua trilha sonora também chegou ao primeiro lugar da parada musical americana. Além disso, turbinou as vendas da série de livros que deu origem ao filme -já passaram das 17 milhões de cópias vendidas no mundo todo.

É a adaptação do primeiro volume da série "Crepúsculo", da norte-americana Stephenie Meyer. No Brasil, os dois primeiros números dessa saga, "Crepúsculo" (ed. Intrínseca, 416 págs., R$ 39,90) e "Lua Nova" (ed. Intrínseca, 480 págs., R$ 39,90), estão entre os mais vendidos nas livrarias. O segundo deles, que vai virar filme com estréia prevista para 20 de novembro do ano que vem, entrou para a lista de mais vendidos já em primeiro lugar.

A versão cinematográfica do primeiro número, dirigida por Catherine Hardwicke, tem arrancado até agora reações mistas dos críticos, mas é sucesso unânime entre seu público alvo: meninas adolescentes, com os hormônios em ebulição, e um ou outro menino emo. "Acho que nunca uma autora ficou tão feliz com a adaptação de seu livro para o cinema quanto eu", disse Stephenie Meyer à imprensa estrangeira.

Amor e vampiros

Mas não é tão difícil explicar a comoção. "Crepúsculo" mistura alguns ingredientes básicos para o sucesso em Hollywood: ídolos teen de beleza avassaladora, um amor impossível e vampiros.

É a história de um desses mortos-vivos, muito bonito e, de quebra, do tipo que não morde humanos, já que sua dieta é sangue animal, que se apaixona pela frágil, delicada e estonteante colega de classe, uma menina de verdade, com tudo que isso acarreta: delírios, exageros passionais e muito calor.

"É a história de uma jovem mulher que se apaixona tão profundamente que ela nem se importa se vai morrer ou se virar vampira também", disse Catherine Hardwicke, ao "New York Times". "Tem algo de muito perigoso e magnético nisso. É um amor obsessivo, não muito distante de "Romeu e Julieta", ou até de "Titanic"."

É verdade também que o britânico Robert Pattinson, na pele do vampiro Edward Cullen após encarnar Cedric Diggory em dois filmes da franquia "Harry Potter", já é apontado como o próximo Leonardo DiCaprio. Nas sessões de autógrafo do filme, houve desmaios das meninas mais frágeis e até uma que, no alvoroço em torno do astro num shopping de San Francisco, quebrou o nariz.

"Queremos que este filme seja um grande evento, que o herói seja mesmo um herói", disse Nancy Kirkpatrick, responsável pelo marketing da série. "Sabemos que será enorme."

2 comentários:

babi disse...

"e um ou outro menino emo".
HAHAHAHHAHAHAHA, valeu o texto!

Esses dias eu ouvi uma conversa no ônibus falando de Twilight. Tanta asneira...

:*******

isaura disse...

Ari,

Tenho uma cliente que já leu todos os luivros, ( no original ), e já assistiu ao filme, é fanática.

Beijos
Mamis